terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

O que vale não é treinar, mas impressionar



Olá a todos,

Vamos a um primeiro post nada científico, apenas especulativo e divertido.

Atletas são obcecados por números. Mais precisamente quantidade de tempo por uma quantidade de quilômetros ou metros.
- "Hoje corri 10km"
- "Para quanto vc correu?"

Quem aqui nunca ouviu essa pergunta quando está comentando sobre algum treino que acabou de fazer? Nunca ouvi ninguém perguntando "Você correu com qual cadência?" ou "Qual era o objetivo desse treino? tolerância a lactato ou condicionamento aeróbico?", "foi um intervalado ou um fartlek?"; sempre a pergunta que qualifica a performance com que o atleta completou o treino. Como se aquilo fosse relevante para um treino de qualidade, não é mesmo?



Se o cara responde "Acho que uns 50 minutos" o outro pensa "Ufa, ele não é tão rápido". Se responde "uns 36 minutos" o outro pensa "Santa mãe de deus!". Um sai impressionado e o outro sai satisfeito por ter impressionado o amigo.

De onde será que vem esse hábito? Eu não digo apenas de atletas amadores iniciantes, mas estas perguntas muitas vezes brotam de atletas experientes, o que é mais chocante.

O meu lado filósofo diz que esse hábito vem da competição humana. Não a que tendem a colocar como inerente e inata ao ser humano, mas a que somos submetidos o tempo todo no nosso mundo contemporâneo competitivo. Claro que aqui estou entrando em um tema muito mais abrangente e não estamos em um blog de Filosofia ou Sociologia, mas quando uma pessoa me pergunta o famoso "pra quanto tempo?", uma certa sensação de irritabilidade já me vem porque a minha cabeça já está pensando lá na frente. Aquilo para mim não é apenas uma simples pergunta, mas uma forma de já estarem querendo me comparar com alguém (ou com o próprio que pergunta).


Mas é claro que não sou louco e procuro ser polido ao responder. Sou evasivo, respondo coisas como "Não sei cara, corri sem relógio" ou "não iniciei o cronômetro". Quando quero detonar de vez, falo algo do tipo "Esses 10km fiz para 1 hora. Estou meio lento ultimamente. A idade vai chegando, sabe como é".

Existem variações triatléticas para várias situações. Vamos a algumas:

Versão ciclismo:
- "Hoje fiz um pedal animal"
- "quantos quilômetros?"
ou
- "quanto de média?"

Versão natação:
- "Esse treino de natação matou"
- "Quantos metros você nadou?"

As quantidades, tempos, distâncias são dados absurdamente importantes para atletas. Obviamente que quanto mais experiente é um atleta, menos ele se prende a isso. Ele sabe que pedalar 150km a um ritmo moderado é um tipo de treino e fazer um treino intervalado de alta intensidade totalizando 50km, é outro tipo de treino, um não necessariamente mais ou menos difícil do que o outro. Você falar "pedalei 50km" é uma informação. Você falar "pedalei 150km" é mais assutador! (rs), é mais impressionante! O excesso fica mais aparente e chama mais a atenção, ainda que pedalar 50km com 43km/h de média seja talvez muito mais difícil do que pedalar 150km com 32km/h de média...

Já vi amigos que não publicam os treinos que fizeram com GPS no Facebook, por exemplo, para que a galera não fique comparando velocidade, pacing, distâncias, etc.
Mas essa é uma pegadinha legal. Uma arapuca interessante para se divertir (rs). Faça um treino rodado (para aqueles treinando para provas longas, de mais de 20km de corrida) em baixa velocidade, com um GPS e um frequencímetro. Ao final, salve o treino e poste no Facebook. Sou capaz de apostar que dificlmente aparecerá comentários do tipo:
- "Bacana esse treino em Zona 2 que você fez hein?"
- "Vc pegou um trecho de altimetria mais alta e sua frequência quase não subiu! Está bem hein"
- "A variação do seu batimento cardíaco no final foi menos de 5% do que quando começou! Impressionante!"

Mas verá certamente, dependendo do tipo de amigo-atleta que está respondendo:
- "4m45/km???? Tá véio em chapa?"
- "Você foi passear hoje?
- "Nossa!!!! Preciso nascer de novo para correr 25km para 4m45/km!!!!"

rsrsrsrs

Já vi também muito atleta chegar e falar "Hoje corri 28km" com um certo ar de sorriso no rosto. Eu paro para pensar, analiso, vejo que é um atleta as vezes iniciante, ou mesmo que não está na periodização correta para se fazer aquele treino no momento... "Será que não era melhor ele ter feito um treino intervalado totalizando 12km?", "ou um fartlek", "ou mesmo um rodado de uns 15km só nessa época?". Perguntas como essa vem à minha mente na hora. Mas o que importa é falar do "feito"! 12km qualquer um corre, não choca, já 28km em um treino, já o coloca em outro patamar de atleta, o distingue dos demais. Ainda que tenha corrido todo torto, sem técnica alguma, sem uma estratégia nutricional e o fez piorar como atleta.

Façam um outro teste divertido. Peguem um triatleta Ironman iniciante, com tempos por volta das 13 ou 14hs e um triatleta de distâncias curtas, como um short triathlon, só que esse com um tempo abaixo de 1h na prova. Em uma roda informal de amigos (que não sejam do esporte), qual vocês acham que será mais assediado com perguntas e despertará mais espanto? O Ironman, que nadou 3800m (uau!), pedalou 180km (minha nossa senhora!) e correu 42km (cara maluco!) ou o atleta de elite de short triathlon que nadou 750m (até minha vó nada isso!), pedalou 20km (pedalava isso quando tinha 12 anos) e correu 5km (minha mãe tá correndo 5km!), mas tudo isso para baixo de 1h???? Está meio óbvio essa não? rs.

As pessoas precisam se espantar!

Conselho: atletas, treinem com qualidade e deixem de "apostar corrida"! Saibam o que cada treino melhora em você do ponto de vista fisiológico, porque ele está ali naquele dia naquela semana e esqueçam números que só servem para contar para os outros. 

No dia da prova, se utilizar uma estratégia acertada, se espantará como seu rendimento será excelente.

Ulisses







6 comentários:

  1. Grrrannde Ulisses!
    Belo blog. Post divertido! Fico no aguardo por um post com informações sobre "o que cada treino melhora em você do ponto de vista fisiológico" e dicas sobre onde buscar mais detalhes sobre o assunto!
    Abs,
    George, um leigo.
    PS: afinal, o que é um FARTLEK? Tem a ver com peidos para ajudar na propulsão do atleta no caso? Rs...

    ResponderExcluir
  2. A própria Chrissie Wellington relatou que faz treinos de qualidade e não em quantidade.... ela falou para o povo que as distâncias que ela treina não são absurdas....

    ResponderExcluir
  3. Ulisses... parabéns novamente pelo blog.
    E esse ponto que vc tocou me interessa bastante... rsrsrs
    Lembro que quando comecei a fazer as provas de meio-ironman e ironman... isso entre 2006 e 2008... o que mais ouvia era: "o seu volume é muito baixo!" ou "você não vai fazer nenhuma corrida de 3horas? O que? 2horas no máximo para o Iron? 1h20m ou 1h30min no máximo para um meio-iron? " . E assim por diante!
    Eu ficava um pouco inseguro, confesso, afinal escutava isso de algumas pessoas que estavam no seu terceiro ou quinto Ironman... com tempos de 5horas e 15min em meio-iron... e 12horas e pouco em Iron... enquanto eu me arrastava em 6h36min e 15h.
    Bom, passados alguns anos(não muitos)... muitos desses que afirmavam que eu fazia pouco volume não mais me criticam. Pelo contrário, querem saber o que eu faço! Outros, curiosamente, ainda criticam, insistem em afirmar que eu treino "pouco"... mas, por "algum motivo", estacionaram em seus tempos finais de prova, enquanto eu continuo evoluindo, ano após ano. O que mais me impressiona é que muitas pessoas ficam "cegas" pelo desejo de fazer a maior quilometragem possível... e se esquecem de questionar, de usar a inteligência humana, sobre o que, como e por que estão treinando.

    ResponderExcluir
  4. Eu não sou nenhuma atleta como muitos que postam aqui, mas por estar ao lado de um, venho aprendendo muito sobre o assunto e digo que ter inteligência para treinar, não se trata apenas de ganhar condicionamento e consequentemente melhorar os tempos, mas digo que é uma questão de saúde e preservação do seu corpo físico. Quer ter condição de treinar com 70 anos, então comece a cuidar dos seus treinos agora.

    ResponderExcluir