quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Vegetarianismo não é uma escolha alimentar





Virei vegetariano por questões esportivas.

No entanto, estudando o tema, descobri que há muito mais questões éticas por trás deste tema do que se quer eu podria imaginar.

Ser vegetariano não é apenas deixar de comer derivados animais por questões de saúde, mas uma conduta de vida condizente com uma sociedade evoluída. 

Estamos o tempo todo nos preocupando com o assessório, enquanto deveríamos nos preocupar com o principal. Uma dieta onívora (para não dizer carnívora) global massificada é a responsável por uma série de degradações ambientais e sociais. Custo a acreditar que demorei tanto tempo para enxergar isso.

Gostar de bichinhos de estimação e comer carne (qualquer carne) é um contrassenso. Dar meia descarga e demorar menos no banho para salvar a água potável do planeta e comer carne e derivados, é um contrassenso. Ser ativista ambiental e reclamar das obras da usina de Belomonte, mas comer carne e derivados, é um contrassenso. Medidas para economia de energia, enquanto come-se carne e derivados, é um contrassenso, enfim, o vegetarianismo não é apenas trocar um bife por rúcula, mas uma questão de tentarmos ser a mudança que queremos ver no mundo. Ou pelo menos as pessoas de bem querem...

Este pequeno documentário é bem interessante. Acho que vale perder os 15 minutos...


quinta-feira, 23 de agosto de 2012

E o SOLOMAN 2013 está se concretizando




Estou empolgado!

Como escrevi no post sobre o SOLOMAN 2013 que acontecerá no dia 26/05, no mesmo dia e horário do Ironman Brasil de Florianópolis, a prova está tomando forma. Estou bem empolgado e ansioso com esta realização! Não paro de pensar nisso (rs).

Posso dizer, sem medo de errar, que esta será a prova de triathlon mais difícil do Brasil e, aí com alguma margem de erro, com exceção do Norseman Extreme Triathlon que ocorre na Noruega, talvez, o mais difícil do mundo.

A natação de 3800m será a única relativamente fácil, já que será nas águas gélidas e calmas do BROA Resort, em Itirapina, sendo permitida a roupa de borracha devido à temperatura. O único problema que posso enxergar nesta etapa é justamente o frio.

O ciclismo sairá da área de transição dentro do BROA Resort, fará um caminho de 1,4km ainda dentro do Resort e pegará 7,5km de estradinha asfaltada (mas sem acostamento) que leva até a Rodovia Paulo Nilo Romano, a rodovia principal. Uma rodovia com asfalto e acostamento perfeitos e um visual sensacional, mas com uma dificuldade muito alta devido à altimetria elevada e ao vento contra, normalmente na volta, quando a altimetria ainda é maior. O destino será o retorno 177B em Jaú, com direito a subir uma serrinha no caminho. Segue o circuito de bike para terem idéia.



Segue a foto do retorno em Jaú
Este circuito possui mais de 2500m de elevação acumulada, sem contar a própria dificuldade de se pedalar 180km e o vento contra. Desafio indiscutível para os melhores ciclistas. O colocaria em uma dificuldade similar aos circuitos de Ironman mais difíceis do mundo como Lanzarote e Nice.

Mais do que fazer um ciclismo mais conservador para conseguir retornar à transição, o futuro SOLOMAN, ainda que seja um triatleta experiente, terá que se preocupar mais com a maratona do que normalmente, pois, após um circuito desta dificuldade de ciclismo, a maratona não deixa a desejar.

Altimetria pesada e o calor podendo ser um problema no dia, talvez seja a maratona de Ironman mais difícil do circuito mundial. No entanto, com um visual que simplesmente desconheço em qualquer outra prova de triathlon. Ela começará dentro da transição do BROA Resort, fará o caminho longo por dentro do Resort de 3.2km até a portaria, atravessará a pista e entrará na fazenda onde temos o Clube de Golf, Zoológico e Aeródromo. Serão 8km dentro desta fazenda com um visual fantástico, mas uma altimetria para ninguém botar defeito. Passaremos por viveiros de vários animais, dentre eles, do Rambo e Naiara, dois Lobos Guarás (rs). Sensacional!

Ao sair da fazenda, faremos 14km na estradinha que dá acesso ao BROA Resort, a mesma que fizemos o trecho inicial de bike. Ela é asfaltada, mas não tem acostamento, fazendo com que o SOLOMAN tenha que hora correr na pista, hora na grama lateral. O apoio/staff do atleta aqui será de muita valia. Ao retornar para o Resort, serão mais 16.8km, sendo 1.8km para voltarmos à transição e rever os familiares e amigos e outras três voltas de 5km, sempre passando pela mesma transição, para receber aquela força da galera e para utilizar de apoio para o que for necessário. O visual do Resort é demais, mas a dificuldade do circuito também (rs).

Segue o circuito da Maratona


O SOLOMAN 2013 não será um circuito para bater recordes, muito menos para ser utilizado de treinão. O atleta precisa chegar preparado apenas para terminar a prova dentro dos tempos de corte que ainda serão estipulados. Comparar tempos de Ironmans com o SOLOMAN será inútil, pois estamos colocando um circuito de ciclismo insano somado a uma maratona igualmente insana, o que não ocorre em nenhum outro circuito da marca Ironman, ou mesmo Challenge.

O dia 26/05/2013 será mais do que um dia de performance. Será um dia de superação mais do que qualquer outra coisa. Além disso, uma grande confraternização entre os amantes do esporte de endurance e seus familiares que lá estarão passando o final de semana.

SOLOMAN!!!!!!!!!!!!!! 

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Sou vegetariano restrito!





Há pouco mais de dois meses atrás, publiquei este post sobre os meus primeiros passos no vegetarianismo. A preocupação inicial era saúde e, com ela, a performance, tornando meu corpo mais alcalino, livre de doenças e uma máquina de recuperação de treinos.

Hoje, apesar do pouco tempo, já tive minhas experiências iniciais, tanto positivas quanto negativas, bem como aprendizado enorme sobre este tema do vegetarianismo. A idéia deste post é passar justamente estas primeiras impressões.

sábado, 11 de agosto de 2012

Brasileiros nas Olimpíadas





Olá,

Posso ser massacrado neste post. Não vou ser delicado, nem tão pouco educado, mas preciso desabafar.

Quando coloco o título de "Brasileiros nas Olimpíadas", não estou me referindo às dezenas de atletas que estão em Londres, mas aos 200 milhões restantes que aqui estão no Brasil acompanhando.

Estou ouvindo em muitos lugares pessoas reclamando, xingando e ridicularizando o desempenho dos brasileiros nos jogos olímpicos. Neste contexto, preciso urgentemente transmitir alguns recados.