sexta-feira, 17 de maio de 2013

EU QUERO AQUELA MEDALHA!






Quando fazemos as primeiras provas de endurance, ao final, tem aquele prêmio simbólico: a medalha de finisher.

Para muitos, este símbolo representa um esforço e uma superação muito grandes. 

Conforme o tempo e a maturidade do atleta vão chegando, este símbolo de finalização de uma prova, acaba se tornando corriqueiro, dignos apenas de uma coleção para lembranças posteriores. Começam a importar realmente os troféus e suas colocações nos pódios.

Se este atleta se profissionalizar, troféus servirão mais para enfeitar a estante de casa. O que contará mesmo é o dinheiro da premiação e uma determinada pontuação para um campeonato de alto nível nacional ou internacional.

A profissionalização é uma idéia que passa longe de minha cabeça, no entanto, confesso que as medalhas de "finisher" perderam a importância. Estou na fase do "troféu" rsrsrs.

Apesar disso, o sentimento da conquista de uma medalha de "Finisher" voltou. Como o daquelas primeiras provas de rua de 10km. Uma sensação que há bastante tempo não aparecia: "preciso ter aquela medalha!"

É com este espírito renovado, empolgado, ansioso e, confesso, nervoso, que eu fiquei quando olhei para "ELA"!


Fazia muito tempo que eu não tinha a dúvida se eu conseguiria concluir uma prova. Hoje, esta dúvida voltou e, com ela, a "ansiedade da primeira vez".

Esta medalha não simbolizará apenas a conquista de uma linha de chegada, mas a maior de todas as conquistas psicológicas que eu já tive. 

Concluir uma prova de triathlon de ultra-endurance, nas distâncias de um Ironman, com 3000 metros de altimetria acumulada, é um feito, sem dúvidas. Mas, conseguir isso longe dos holofotes? Longe das centenas de outros atletas no campo com você? É um desafio psicológico e tanto. Para mim, o maior de todos eles até então.

No próximo dia 26/05, treze amantes do esporte de endurance, terão uma coisa na cabeça:
"EU QUERO AQUELA MEDALHA!"

SOLOMAN!!!!!


Nenhum comentário:

Postar um comentário