terça-feira, 15 de abril de 2014

E se....






...nós, atletas limpos, fôssemos melhores do que os resultados nos mostram? E SE...o doping não existisse?


Este post aqui é meramente especulativo. Sarcástico, talvez, irônico, mas é apenas um exercício de pensamento em cima dos resultados do triathlon e o tema que não quer nunca calar: o doping. Mas, de forma nenhuma, pretende ser ofensivo.

Achei este LINK que divulga um estudo feito no Ironman Frankfurt, Ironman 70.3 Wiesbaden e Ironman Regensburg. Estudo de 2013.

Este estudo consistia em um questionário aplicado aos atletas estritamente amadores, de forma anônima, com perguntas sobre a utilização de algum tipo de doping físico (esteroids, EPO, Human growth hormone, etc) e doping cognitivo (antidepressivos, beta-bloqueadores, modafinil, methylphenidate, etc.).

Pasmem, mas 13% admitiram o uso do primeiro, 15% admitiram o uso do segundo, 10% admitiram o uso de ambos e 20% admitiram o uso do doping físico quando vão para o mundial europeu em Frankfurt.

Vamos nos ater aos 13% do primeiro grupo aqui neste post especulativo, ok? Vamos ao exercício mental.

- E SE... no Brasil a proporção fosse a mesma? Enquanto um estudo parecido não aparece por aqui, talvez seja um bom ponto de partida, afinal.

Tomando o Ironman Brasil Florianópolis como tradicional exemplo, temos que 13% de 2000 atletas que costumam largar, ou seja, 260 atletas supostamente dopados.

Tomei a liberdade de ir até os resultados do Ironman Brasil 2013 e vi que do primeiro amador (14o geral) até o primeiro atleta que fez 10:30 (300o colocado), temos 286 atletas amadores aproximadamente.

- E SE... destes supostos 260 atletas deste exercício mental não fossem os atletas que chegam com 13h, 14h, 15h ou mais, mas fossem exatamente este grupo sub 10h30? Me parece, no mínimo, uma pergunta pertinente, não? Não duvidaria que pelo menos 90% deles, pelo menos, estivessem neste grupo. Faria muito mais sentido, pelo menos para mim, um atleta tomar EPO, por exemplo, para baixar de 10h ou para pegar a vaga para o mundial de Kona, do que para baixar de 14h. Não vos parece plausível?

Bem, especulando um pouco mais, fui atrás de um outro estudo que mostra os benefícios de um doping de EPO em ciclistas. Segue o LINK. O estudo foi aplicado em atletas treinados, mas não da elite do ciclismo (atletas que costumam chegar a 500W como potência de pico), com EPO aplicado durante um período de apenas 4 semanas e os resultados são surpreendentes. Os ganhos são de 13% na potência máxima de pico e de incríveis 54% no tempo de exaustão a um TT a 80% desta potência!

Bem, o próprio estudo diz que estas variações de ganho gigantes não devem ser verdade em atletas de elite, como um Alberto Contador. Neste caso, o estudo sugere que os ganhos podem ficar na casa de 5%.

Vamos continuar com nosso exercício. 

- E SE...os atletas que tomam EPO tivessem o benefício de 5% apenas. Vamos supor que sejam todos "elite" do esporte, vamos supor que eles só tomem EPO, mas não tomem, esteróides, GH, testosterona, etc. Vamos ser "conservadores". Vamos supor também que estes atletas tem todas as qualidades que um atleta precisa que não seja apenas aptidão física: foco, atitude, inteligência, saber lidar com adversidades, etc, etc. Vamos tirar estas questões não quantificáveis da equação.

- E SE... este "pequeno" ganho de 5% também ocorresse na natação e na corrida (e é bem provável que ocorra)? 

Resolvi, então, fazer um exercício mais prático, aplicando este fator de "apenas" 5% a um atleta de 10hs no Ironman Brasil com as seguintes parciais:

- Natação 1h05 (pacing de 1'43/100m)
- Bike 5h13 (média de 34.5km/h)
- Corrida 3h30 (pacing de 5min/km)
- 3min o tempo de cada transição

Vamos "injetar" um pouco de "ânimo" nesse atleta, também conhecido como EPO, e vamos aplicar o coeficiente de 5% de melhora em cada modalidade

- Natação 1h02 (pacing de 1'38/100m)
- Bike 4h58 (média de 36.23km/h)
- Corrida 3h20 (pacing de 4:45min/km)
com os mesmos 3min em cada transição (aqui o EPO não deve ajudar)
Temos um "novo" atleta de 9h32min!!!!

- E SE....arredondássemos para 30min de melhora, apenas para a conta ficar mais fácil. Atletas de 9h45 com 9h15, atletas de 9h40 com 9h10 e assim por diante. E lembrem-se dos tais 260 atletas!!!

- E SE...o EPO fosse apenas um mito do Papai Noel, ele não existisse? As vagas para o mundial do Havaí iriam começar a acontecer novamente na casa das 10hs?

Qual o objetivo deste post afinal? Bem, você, atleta amador, limpo e honesto, assim como eu, pare e pense. Talvez, apenas TALVEZ, você não seja tão ruim como imagina! Sabe aquela colocação honesta, porém amargurada, de 250o geral que você pegou no Ironman? Então, em condições de igualdade, vc PODERIA ser um dos top 50! Olha que legal. Sabe aquele 4h30/4h40 que vc está cansado de tentar baixar na honestidade em um 70.3? Então, ele poderia representar um pódio em sua categoria! Olha que legal!

Mas, este post é apenas espculativo. Uma pena, porque esta prática do doping não acontece por aqui. Só na Alemanha....