terça-feira, 30 de setembro de 2014

Vendo Crankset Shimano DuraAce 7900






Galera,

Estou vendendo o meu crankset Shimano DuraAce 7900 53/39 com pedivela 175 em excelente estado e já incluso o movimento central.

Este pedivela estava instalado em minha Orbea Ordu TT que eu usava exclusivamente para competir. Portanto, fiz alguns treinos com ele, principalmente pré-provas e umas 10 provas.

Valor: R$1.200,00

Seguem as fotos:







segunda-feira, 1 de setembro de 2014

K42 - Aprendendo o que não fazer



Para quem me acompanha aqui no blog sabe que eu curto contar tanto os momentos bacanas de minha empreitada esportiva, quanto os tropeços. Não consigo entender porque as pessoas precisam ser perfeitas e só reportarem glórias nas redes sociais. Deve ser por causa daquela maldita crença de que os "pensamentos positivos e estar sempre sorrindo atrai coisas boas" e essas idiotices rsrsrs. Como se os tropeços fossem algo que não fizessem parte do aprendizado, da evolução e do nosso fortalecimento. Costumo tirar muito mais lições dos tropeços e das pessoas que me falam as coisas do jeito que elas são do que com as glórias.

E é nesse espírito que estou encarando o que foi a K42 de Ubatuba nesse último final de semana. Se me perguntarem se a prova foi legal, eu vou responder que foi demais! No sentido de estar com a família, amigos e ter passado momentos realmente bacanas e muito engraçados. Experiência única. Agora, do ponto de vista atlético, esta foi uma experiência "única" mesmo rsrsrs. E continuará sendo rsrsrs. Quando fiz a inscrição na K42 há vários meses atrás, eu estava empolgado com as corridas de montanha. Tinha feito três só este ano, indo bem em todas para minha surpresa. Além disso, uma oportunidade de correr "em casa": Ubatuba. Só que elas tinham sido corridas de montanha, não corridas de trilhas, rios, penhascos, escaladas, pedras, mangues...rsrsrs. Nesta prova, eu tive uma revelação: eu não tive infância rsrsrs.

Existem situações neste tipo de corrida que não há treino. Nem é necessário ser atleta para se ter tal habilidade. A pessoa precisa ter passado parte da infância e juventude no meio de penhascos, pedras e mata fechada para estar habituada e "treinada" com tudo isso. O risco de se machucar feio com uma queda absurda é iminente o tempo todo e, para quem me conhece, sabe que realmente odeio me machucar. Odeio ficar ralado, quebrado, luxado, torcido ou qualquer coisa que me impeça de dar continuidade aos meus treinos. Principalmente com um Ironman Fortaleza em poucas semanas à frente.

Eu sabia que a K42 iria ter alguns desses obstáculos. Só não sabia que ia ser uma infinidade deles rsrsrs. Logo na primeira trilha, com uns 3km de prova, já pensei em desistir rsrs. Pensei "se tiver mais coisas parecidas com isso, seria melhor eu me preparar para chamar algum helicóptero de resgate" rsrs. Com o tempo de prova, comecei a adaptar minha cabeça e comecei a encarar aquilo como uma enorme diversão. Raramente consigo fazer isso em uma prova. Prova eu gosto de sofrer, dar o máximo, chegar arrebentado com a sensação de que não tinha mais nada a dar. Mas nesta, eu consegui realmente correr do km4 para frente com um sorriso no rosto. Brincava e fazia piada com os staffs que estavam na prova, fazia caretas para as câmeras, parava e sentava para tomar um isotônico, dava uns chutes numas bolas de crianças das vilas que passávamos, brincava com o povo rsrsrs. Eu pensava "vou correr onde der pra correr. Chegou algum "impecilho" eu paro e vou na menor velocidade possível para sair vivo daqui" rsrsrs. Cruzava meu chapa Lucas Ferro várias vezes pelo caminho. Chegava algum lugar "corrível", eu abria na frente dele. Aparecia algum "impecilho" eu já pensava "vamos ver quanto tempo o Lucas vai demorar para chegar em mim" rsrsrs. E "puff!"...lá vinha ele rsrsrs. O Rodrigo Massoni já me despachou na primeira trilha. Aquela mesma que eu pensei em desistir. Só que depois dela veio uma parte mais plana, em praias, e depois um barranco enorme de vários kms, em asfalto, o que estou bem acostumado a treinar. Ali, consegui emparelhar com o Rodrigão e continuamos um bom tempo correndo lado a lado trocando ideia. Trocar idéia? rsrs Impensável em outro tipo de prova onde o coração está na boca. Já nesta prova, eu trocava idéia com todo mundo. A cada atleta que eu passava ou era passado eu fazia uma "amizade instantânea" ou já soltava alguma piada rsrsrs. Alguns deles estavam encanados com posições, perguntavam que posições estávamos, olhavam para ver se eu fazia parte do "Solo" ou do "Revezamento". Aí veio um rio, que depois de alguns minutos dentro dele que serviu para refrescar até, veio outra trilha. Até então estava junto ao Rodrigão. Saimos para a trilha, ele abriu um pouco e me perdi rsrs. Fui parar em uma casa, tive que voltar um monte de percurso, enfim rsrs. Quando achei a rota, pensei "agora estou salvo...não é possível que eles vão colocar mais perrengue". Aí caio em um mangue onde o perna afundava no barro até a coxa rsrsrs. MUITOS minutos para sair dele, na iminência de perder o tênis a qualquer momento. Quando saí do pântano, eu dava risada rsrs. Comecei a correr mais leve na esperança do Lucas me alcançar. Pelo menos pra ter um parceiro para trocar idéia rsrsrs. Mas ele tinha ficado mais pra trás e não chegava. 

Após a Praia Vermelha do Centro, uma pirambeira no meio das trilhas para subir. Ali, passei vários atletas com cãimbra, já quebrados. Ajudei uns, incentivei outros. Emparelhava com alguns e ficava trocando idéia, enfim. Foi quando veio o penhasco mais escroto de trodos. Lá pelo km 38, quando eu achei que ninguém mais faria algo assim rsrsrs. Devo ter demorado mais de 30min nesse lugar rsrsrs. O Lucas me pegou ali no final desse penhasco. Finalmente, depois que acabou, os últimos 3km foram "corríveis". Eu resolvi apertar o ritmo só pra ver como me sentia e estava correndo leve, como se nem estivesse já corrido 40km. Passei mais alguns atletas ali e cheguei. rsrsrsr. A mulher no microfone gritando "Olha aí o filho da Dona Neideeeee!!!" ahahahhahahaha. E minha mãe correndo comigo. Incrivelmente, ainda peguei 4o da categoria 35-39 e 18o geral.

Apesar de não ter sido uma prova esperada do ponto de vista atlético, sem dúvida foi uma prova animal do ponto de vista de experiência e diversão com os amigos e a família. Sem contar a organização da prova que é muito boa e excelente para quem gosta desse tipo de "perrengue".

Gostaria de agradecer minha mulher, minha mãe, meu tio Limpinho e o André, primo da minha mulher, que vibraram, acompanharam, bateram fotos e curtiram os momentos da prova junto comigo. Meus dois chapas Lucas Ferro e Rodrigo Massoni que é sempre um prazer encontrar nestes momentos.

Gostaria muito de agradecer meus apoiadores especiais neste evento, o Santa Pimenta e o My Office Place. Valeu gente. Sem vocês, todas estas experiências seriam muito mais difíceis de serem realizadas.


                                                                                                                                                                                                                                          Grande André! Fez a nossa festa com uma Go Pro. Sensacional!
                                                                                                                                                                                                                       Na hora que cruzo a minha família lá pelo km15. "Porra, não consigo correr!" rsrsrs

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                       Grande Lucas Ferro. O cara passou por esse perrengue no dia do aniversário! rsrs tem louco pra tudo. Parabéns manão!




 Estes momentos valem a festa. Recepção calorosa na Praia Dura. Sensacional!






 Meu tio correndo alguns metros comigo ahahahhaha. Sem preço.




 Rodrigão Massoni, meu chapa Soloman. Esse detonou na prova mesmo. Parabéns pelo pódio!






















Família presente para animar!